“Se não decides tuas prioridades e quanto tempo dedicarás a elas, alguém decidirá por ti.” – Harvey Mackay.

Para começar essa reflexão sobre o que deve ser priorizado, sugiro responder às perguntas:

✅No último bimestre, quantas atividades você̂ realizou que realmente fizeram diferença? Foram atividades que trouxeram resultados reais para sua vida pessoal e profissional? Estavam relacionadas com sua missão, com seus objetivos e com as pessoas que lhe são caras?

✅No último mês, quanto tempo foi dedicado à resolução de problemas urgentes, estressantes e que apareceram de última hora? Quantas vezes você̂ trabalhou até mais tarde para concluir aquela tarefa urgente?

✅Na ultima semana, quantas vezes você̂ utilizou seu tempo em atividades que nada têm a ver com seus objetivos ou que não eram urgentes? Quantas vezes você̂ jogou tempo fora em uma conversa sem sentido, assistindo a um programa de TV ou lendo uma revista que não agregaram valor algum à sua vida?

Segundo Christian Barbosa, as pessoas costumam ter a sensação de que o tempo voa porque o utilizam fazendo atividades que não agregam, deixando de lado aquelas que gostariam de fazer, pois essas nunca são urgentes e em geral não são priorizadas, logo, nunca são feitas.

Uma técnica excelente para estabelecimento de prioridades é classificar as tarefas em “importantes” – têm prazo, dão prazer e geram resultados positivos; “urgentes” – atividades importantes que não foram feitas no prazo e precisam ser feitas imediatamente; ou “circunstanciais” – tarefas realizadas contra a nossa vontade e aceitamos por não sabermos dizer “não”, não trazem resultado algum e geram frustração.

Anote em um rascunho tudo o que tem para fazer, separando o que é pessoal e o que é profissional. Tire isso da sua cabeça, passando para uma agenda ou aplicativos e programas, liberando-se para atividades mais nobres. Depois, planeje essas atividades, pois é a melhor forma de ganhar tempo. Nunca permita que as tarefas importantes se tornem urgentes. Já ouvir falar na Lei de Murphy? Se deixarmos as coisas para a última hora, ficamos sujeitos e imprevistos, que podem acontecer. É importante ordenar a execução das tarefas e compromissos, listando as atividades que precisam ser feitas no dia, na seguinte ordem de prioridade: coisas importantes; algumas coisas urgentes; se possível nada circunstancial.

Fatie seu tempo para que possa aproveitar a vida em sua totalidade e não dedicá-la a uma função específica. Dê sentido ao seu dia-a-dia. Equilibre seu tempo para a família, trabalho, lazer e tudo mais que é importante para você.

Não viva o tempo. Viva a vida!